Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Avaliador de imóveis

Este blogue pretende, de uma forma simples, esclarecer as questões sobre avaliação de imóveis, máquinas ou de equipamentos, e, ao mesmo tempo, revelar o dia a dia de um avaliador de imóveis!

“A imagem verdadeira e apropriada está para a contabilidade, assim como a justiça está para o direito”.

Aproxima-se o fim do ano e nunca é de maisrelembrar que os Empresários, os Técnicos Oficiais de Contas e, porque não, os Revisores Oficiais de Contas, devem prestar uma especial atenção ao impacto que oimobiliário pode ter nas contas das empresas.

Por isso, as palavras que transcrevemos, deJoaquim Fernando da Cunha Guimarães, na Revista Electrónica n.º 53, de Junho de2010, são demasiado importantes para serem ignoradas:

“A imagem verdadeira e apropriada está paraa contabilidade, assim como a justiça está para o direito”.

Vem a propósito relembrar que asdemonstrações financeiras devem mostrar uma imagem verdadeira e apropriada daposição financeira, do desempenho e das alterações na posição financeira de umaentidade, seja ela da economia real ou da economia social.

Os Técnicos Oficiais de Contas, aoassinarem as demonstrações financeiras e as declarações fiscais, em conjuntocom o Representante Legal da Empresa, assumem vincadamente as suasresponsabilidades em prol da “imagem verdadeira e apropriada”.

Por outro lado, nas empresas sujeitas arevisão legal das contas, os Revisores Oficiais de Contas também assumem a suaresponsabilidade ao emitirem os seus relatórios de certificação legal dascontas fazendo referência explícita à “imagem verdadeira e apropriada”.

É, portanto, de grande relevância que osatores atrás referidos dediquem a sua atenção aos ativos fixos tangíveis, àspropriedades de investimento e aos ativos não correntes ou unidades descontinuadaspara venda, por forma a espelharem a “imagem verdadeira eapropriada” das demonstrações financeiras e, consequentemente, das respetivasentidades:

- Estão os bens acima mencionadoscorretamente mensurados por forma tomarem o seu “justo valor”?
- Diverge o “justo valor”significativamente da quantia escriturada?
- Estão os ativos fixos tangíveiscorretamente inventariados?


Os técnicos da avaliação de património podem prestar um grande contributo a estaproblemática!


Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Links

As minhas páginas:

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D