Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Avaliador de imóveis

Este blogue pretende, de uma forma simples, esclarecer as questões sobre avaliação de imóveis, máquinas ou de equipamentos, e, ao mesmo tempo, revelar o dia a dia de um avaliador de imóveis!

Alguma coisa tem que estar mal!

João Fonseca / Avaliador de imóveis / 919375417Uma avaliação de um imóvel, por muito irrelevante que eleseja, encerra uma série de passos que enumeramos: deslocação ao imóvel e visitaao imóvel em avaliação, prospeção de imóveis comparáveis na envolvente doimóvel em avaliação, consultas a bases de dados imobiliárias e outras fontes deinformação, homogeneização da amostra, elaboração do relatório segundo osmétodos mais apropriados a cada caso e entrega do relatório ao cliente.

A cada um destes passos acrescentemos o tempo que demoracada um a cumprir (No nosso estudo os tempos são mesmo mínimos, para aquelasavaliações de complexidade muito reduzida e quase à porta de casa). Deixamos defor os custos com combustíveis, viaturas, consumíveis, ….

Vamos tomar como justo (que não é) o valor pago a formadoresexternos no âmbito do POPH para ações de formação dos níveis de qualificação 5e 6 que é de 30€/hora;

No fim, façamos as contas:
  
No mínimo dos mínimos, um avaliador deveria receber por cadaavaliação a quantia de 180€, sem contar com os custos conexos a uma avaliação.Relembramos que este estudo é para avaliações muito simples.

Alguma coisa estará mal quando alguns clientes abusam dapressão sobre a classe dos avaliadores e obrigam-nos a uma quase escravaturaeconómica.

Exemplos de clientes?

- O Estado na avaliação extraordinária que realizou noâmbito da ajuda externa, a 0,90€/avaliação;
- A Banca, através das empresas de avaliação, que pagam aavaliadores externos quantias entre os 30€ a 40€, estando os avaliadores aindasujeitos a penalizações se não cumprirem o prazo estabelecido, em regra 3 diasúteis.

É urgente uma tomada de posição das associações da classedos avaliadores (APAE e ANAI) para que estas situações não ocorram.

É urgente que a CMVM, o Banco de Portugal e o Instituto deSeguros também venham a jogo.

Porque não uma tabela de honorários, à semelhança do queocorre com outras classes profissionais?

Neste caso é apropriado o ditado popular “depressa e bem nãohá quem”, ou, por outras palavras, “depressa e barato alguém fica a perder”.

Normalmente os mais vulneráveis!
  

PS.: Louve-se a atitude dos tribunais que permitem, em regra,que o valor mínimo de uma avaliação sejam 3 unidades de conta!


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Links

As minhas páginas:

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D