Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Avaliador de imóveis

Este blogue pretende, de uma forma simples, esclarecer as questões sobre avaliação de imóveis, máquinas ou de equipamentos, e, ao mesmo tempo, revelar o dia a dia de um avaliador de imóveis!

O acordo Basileia II e a avaliação imobiliária


Basileia é uma cidade situada no noroeste da Suíça, que faz fronteira com a França e a Alemanha. É a sede do “Bank for International Settlements” (BIS), que é uma organização internacional responsável pela supervisão bancária. 

O BIS é responsável por publicar estatísticas e relatórios sobre os bancos centrais e o sistema financeiro global. Um dos seus comités foi responsável pelo Novo Acordo de Basileia sobre Capitais, conhecido como Basileia II, que é um acordo internacional que determina as regras de gestão de risco que os bancos devem adoptar. 

Está estruturado em três pilares: 
-Determinação dos requisitos mínimos de fundos próprios para a cobertura dos riscos de crédito, de mercado e operacional; 
-Convergência das políticas e práticas de supervisão (que podem originar, nomeadamente, a fixação de requisitos mínimos diferenciados, em função dos perfis de risco ou da solidez dos sistemas de gestão e controlo interno das instituições); 
-Prestação de informação ao mercado e ao público em geral, de modo a assegurar maior transparência sobre a situação financeira e a solvabilidade das instituições. 

A cedência de crédito, as quantias a ceder e os “spreads” estão directamente relacionados com a quantidade e qualidade da informação transmitida ao banco. A disponibilidade para os bancos cederem crédito é menor, atendendo à harmonização dos rácios de solvabilidade.

Como consequência, passou a existir um maior rigor na cedência de crédito, com dificuldades acrescidas para a sua obtenção para as empresas, nomeadamente para as PME’s.

Foi transposto para a ordem jurídica interna com a publicação do Decreto-Lei n.º 104/2007, de 3 de Abril, e do Decreto-Lei n.º 103/2007, de 3 de Abril, (Directiva n.º 2006/48/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 14 de Junho de 2006, e Directiva n.º 2006/49/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 14 de Junho de 2006).

Em termos práticos, e no que diz respeito ao crédito hipotecário, está consubstanciado no Aviso 5/2007 do Banco de Portugal.

Concluindo, não foi só a crise do "subprime" e das dívidas soberanas que prejudicaram o acesso ao crédito pelas pme's. O problema já vinha de trás... 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Links

As minhas páginas:

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D