Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Avaliador de imóveis

Este blogue pretende, de uma forma simples, esclarecer as questões sobre avaliação de imóveis, máquinas ou de equipamentos, e, ao mesmo tempo, revelar o dia a dia de um avaliador de imóveis!

O “justo valor” e o “valor de mercado”


Folheávamos, por acaso, a revista TOC 111 de Junho 2009, da,na altura, Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas, quando nos deparámos com oquadro da figura 1:
Avaliação de património

Mereceu-nos uma reflexão o aspeto particular evidenciado de entender o “justo valor” como o “valor realizável liquido”, que, em tese, corresponderia ao “valor de mercado”.

A nossa opinião, modestamente, é que esta consideração é umpouco redutora do que pode ser considerado como “justo valor”, sobrepondo esteconceito ao conceito de “valor de mercado”.

Tentaremos, neste e no próximo artigo, demonstrar que o “valorde mercado” não corresponde, exatamente, ao “justo valor”.

De acordo com o normativo contabilístico, nomeadamente aNCRF 7, devemos considerar “justo valor: é a quantia pela qual um ativo podeser trocado ou um passivo liquidado, entre partes conhecedoras e dispostas aisso, numa transação em que não exista relacionamento entre elas”.

Mais adiante, a mesma norma refere que “O justo valor deterrenos e edifícios deve ser determinado a partir de provas com baseno mercado por avaliação que deverá ser realizada por avaliadoresprofissionalmente qualificados e independentes. O justo valor de instalações eequipamentos é geralmente o seu valor de mercadodeterminado dor avaliação” e também que “Se não houver provas com base nomercado do justo valor devido à natureza especializada do item do ativo fixotangível ou se o item for raramente vendido, exceto como parte de umnegócio em continuação, uma entidade não deve utilizar o método derevalorização”.

Por valor de mercado, na avaliação de património, entendemoscomo o “valor pelo qual um bem pode ser transacionado, num mercado livre ecompetitivo e após um determinado período de tempo razoável, em que osintervenientes atuem de livre vontade, sem qualquer interesse particular econhecedores de toda a informação relevante”.

No próximo artigo, e partindo das frases destacadas,tornaremos a este debate com um exemplo prático, em que o “justo valor” poderáser substancialmente ao superior ao “valor de mercado”, o que poderá afetar significativamente as contas de uma empresa e a sua relação com a Banca.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Links

As minhas páginas:

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D